Geografia do Concelho de Tarouca


O Concelho de Tarouca está situado na província da Beira Alta, a 10 quilómetros de Lamego e 58 de Viseu, com lugares Vista de Ucanha muito próximos do rio Douro, a grande altitude do nível do mar, e à vista do Marão, que lhe fica a Norte, e das cristas da Estrela, em cujos cimos, nas épocas frias, se vêem as neves alvejantes que as coroam. O concelho é composto por povoações pitorescas, na serra umas, e outras no vale, todas de remotas e de velhas tradições. O concelho é delimitado a Poente e a Norte pelo de Lamego, a Nordeste pelo de Armamar, a Nascente pelo de Moimenta da Beira, a Sudeste pelo de Vila Nova de Paiva e a Sul pelo de Castro Daire.

O clima é sadio. No verão a verdura das encostas e as águas abundantes temperam os rigores das calmas; no inverno, os cumes Vista de Ucanhados montes abrigam as povoações das nortadas e dos ventos frios de Leste. Sítios há onde se podiam edificar estâncias de turismo a que extensos pinhais, soutos e vistas espectaculares, emprestariam frescor e beleza.

É muito acidentado o território do concelho de Tarouca. Os seus montes, quase sempre verdejantes, tornam-no pitoresco e, no seu conjunto, oferecem-nos agradável aspecto. Duas serras principais o dominam e formam como que duas grandes muralhas que o abrigam: são a serra de Santa Helena e o Monte Raso.

Este pequeno sistema orográfico mostra-nos três vales secundários que podemos chamar: o «vale de Tarouca», o «vale de S. João-Mondim-Ucanha» e o «vale de Salzedas». A serra de Santa Helena, de um lado, o monte de Santa Bárbara do outro e o monte Ladairo a Sul, formam a grande bacia onde a vila se ergue, do lado direito do rio Barosela e rodeando o belo morro de Alcácima, antiga estância dos Árabes.

Compõem esta bacia extensos campos de fácil cultura, Vale de São João onde as produções são variadas e abundantes e a verdura mostra tonalidades diversas. A quebrar a monotonia de toda aquela extensão, erguem-se as casas de habitações, entre árvores de fresca sombra e leves ondulações de terreno a protege-las no seu encanto. É este um dos lugares mais pitorescos não só das Beiras, mas de todo o país:

O vale de S. João fica no fundo duma pequena e arredondada bacia. Ladeiam-na, em perfeito anfiteatro, os montes Corvo, Cascalheira, Recião, Senhor da Misericórdia e Galinheira, só com uma pequena abertura, para Norte, por onde escoa o Barosa. A Suiça, tão admirada pelas suas belezas alpestres, não tem lugar que este inveje.

O espírito, entre aqueles cumes altos e colinas verdejantes, quase aprumadas, concentra-se e medita, para logo, sugestionado pelo horizonte que se advinha, lá em cima, subir até galgar as eminências, cortadas de ravinas. Foi ali que se edificou, no século XIII, o convento e a Igreja dos monges Bernardos. No fundo Serra de Santa Helrena deste vale, o Barosa corre em semicírculo a dividir a povoação que uma ponte românica liga.

Mais acima do seu leito existem, ainda meio desmanteladas, as feitorias dos monges. O Couto, último vestígio do poderio do Mosteiro, assenta na encosta do Sul. Vale do Varosa-São João Dum e outro lado da Igreja e Convento, em ruínas, elevam-se as colinas de Santa Catarina e Santa Umbelina, com as suas capelinhas alvejantes. Eram os lugares de recreio dos frades.

Mais abaixo, na margem direita do Barosa, está Mondim, a chamar-nos como um lenço branco, com a neve de suas casas, entre verdes árvores.

Ali o vale alarga-se até o monte do Castro, com a Ranha ao Nascente, a cumieira ao Poente e o monte de Santa Bárbara (Castro Rei) ao Norte. É ele um como estuário dum grande rio que, descendo do alto, se espraia na sua margem. A povoação estende-se acima do grande estuário a alegrar a monotonia do vale. Descendo mais, fica Dalvares, com o solar dos Melos; e mais abaixo ainda, dum e outro lado do rio, encontramos Gouviães e Ucanha, ligadas por outra ponte românica, esta com a característica misteriosa e quase única de ser encimada por uma torre que lhe proteje a entrada do tabuleiro. Logo a seguir o vale afunila-se e entra-se no antigo couto do Mosteiro de Salzedas, as terras que D.ª Teresa Afonso, segunda mulher de Egas Moniz, lhes doou.

A partir daqui o Barosa tem um curso mais rápido e bastante acidentado, por vale estreito e fundo a caminho do Douro que já não lhe fica distante.

O Barosa nasce em Várzea da Serra; segue a direcção Rio Varosa de Poente a Norte, abraça a serra de Santa Helena do Nascente e vai desaguar no Douro. Foi coutado até às poldras de Dalvares aos monges de S. João e dali até o Torno aos de Salzedas. Segundo uma carta de D. Pedro I, também se chamou Fisto. É abundante em trutas. A ele andam ligadas muitas lendas e tradições. Foi nas suas margens que Egas Moniz e outros ricos homens do Minho vieram estabelecer quintas e herdades. Desagua nele, junto de Mondim, o rio Barosela que igualmente nasce em Varzea da Serra e, seguindo direcção oposta, abraça do outro lado a serra.

A vegetação das suas margens é abundante e variada. Todos estes acidentes, a traz descritos, salpicados de documentos históricos, tornam a região de Tarouca encantadora, pelos seus cromos de verdura e luz. As cores e o ar cantam e riem sob um ceu puro e límpido que, pousando no alto cume da Santa Helena e Monte Raso, se assemelha a uma cúpula de cristal, erguida sobre uma grande bacia verde-glauca.

Bibliografia: Monografia do Concelho de Tarouca do Ab. Vasco Moreira