Dr. Armando de Almeida Fernandes
Um dos mais insígnes Historiadores Contemporâneos


Filho do Comendador Professor João de Almeida Fernandes, Dr. Almeida Fernandes este também devotado à história, nasceu em Britiande, no ano de 1917 e residiu desde há muitos anos em Tarouca, terra da naturalidade de sua esposa, até ao seu falecimento a 20/02/02. Sendo a família numerosa e ele um dos mais novos, desde cedo, ao contrário dos irmãos, mostrou inclinação para o estudo, dedicando-se, por sua iniciativa e nos tempos livres, à leitura das obras existentes na pequena biblioteca de seu pai.

Mostrava especial inclinação para a história, para o desenho e para a música e aprendeu a língua inglesas desde os 5 anos.

Não era pessoa de grandes falas e contactos, mas tinha uma especial ligação com o seu Pai, que sempre o incentivou, adivinhando nele qualidades e predisposição para a investigação e para um enriquecimento intelectual fora do comum.

Dos pais herdou uma imensa sensibilidade, sobretudo na relação afectiva familiar e na probidade de valores em relação ao próximo, sendo um católico praticante e tão modesto que chega à humildade, pedindo desculpa se a consciência o acusava de algo.

Dos pais herdou uma imensa sensibilidade, sobretudo na relação afectiva familiar e na probidade de valores em relação ao próximo, sendo um católico praticante e tão modesto que chega à humildade, pedindo desculpa se a consciência o acusava de algo.

Concluiu Preparatórios de Engenharia em Coimbra:

Matemáticas Puras; Ciências Físicas e Químicas; Ciências Mineralógicas; Ciências Geométricas.

Licenciado em Ciências Geográficas e Ciências Pedagógicas.

Fez frequências de Topografia e Geodézia, Resistência de Materiais, Teoria Geral de Máquinas, etc.

Apesar de não se Dr. Almeida Fernandes isolar dos outros, construiu o seu "convento" em casa, tendo por vezes, desperdiçado oportunidades que o poderiam ter levado por outros caminhos na investigação.

Durante anos a fio levantava-se às cinco da manhã para trabalhar na investigação antes de iniciar a sua vida profissional do quotidiano. Da mesma forma sempre se deitou cedo.

As horas de lazer eram poucas, tocava órgão nos intervalos do trabalho, ouvia ópera, lia e dava pequenos passeios pelo campo.

Passou o tempo a trabalhar nos seus documentos e, por vezes quando necessário, deslocava-se à Torre do Tombo.

A sua obra está espalhada por várias revistas como: Revista da Beira Alta, Revista de Guimarães, Bracara Augusta, Caminiana e Cadernos Vianenses estre outras.

É autor da parte História Medieval na Grande Enciclopédia Portuguesa Brasileira.

Apesar da sua avançada idade não deixou de trabalhar até ao fim da sua vida a fim de nos transmitir o conhecimento do nosso passado como Portugueses.

A lista das suas obras é a seguinte:
• Dom Egas Moniz de Ribadouro, Lisboa, 1946
• Céu Amargo-Poesia, Tarouca, 1957
• Como Nasceu Viana, Viana do Castelo, 1959
• Ponte de Lima na Alta Idade Média, Viana do Castelo, 1960
• Acção das Linhagens no Repovoamento, Porto, 1960
• As Origens nas Igrejas da Diocese Lamecence, Porto, 1963
• Ainda Ponte de Lima Altimediévica, Viana do Castelo, 1963
• Do Porto veio Portugal, Porto, 1965
• Arouca na Idade Média Pré-Nacional, Aveiro, 1965
• Nota ás Origens Portugalenses, Porto, 1968
• Paróquias Suevas e Dioceses Visigóticas, Viana do Castelo, 1968
• Esparsos de História - Documentos Inéditos, Porto, 1970
• A Honra de Gouviães e sua Estirpe, Braga, 1971
• Território e Política Portucalenses, Porto, 1972
• Portugal no Período Vimaranense, Guimarães, 1972
• A Estirpe Vianense dos Velhos (no "Arquivo do Alto Minho", 1973)
• Acção dos Cistercienses de Tarouca - As Granjas, Guimarães, 1976
• Amantes e Odientos, romance histórico, Barcelos, 1977
• O Último Trovador (O Romance do Conde Dom Pedro), Barcelos, 1977
• Guimarães, 24 de Junho de 1128, Guimarães, 1978
• A Nobreza na Época Vimaro-Portugalense - I, "Problemata", Guimarães, 1982
• Adosinda e Ximeno, Guimarães, 1982
• O Livro das Doações, "Beira Alta", XXX-VIII-1, 1979, até XLI-3, 1982
• Toponímia Vimaranense, "Cadernos Vimaranenses", III-1979 a VIII-1983
• Um "Examen" Antroponímico, "Caminiana", VI-1982 a XIII-1986
• Toponímia Taraucense, Viseu, "Beira Alta", XLI (1982) a XLVII-3/4(1988)
• Considerações Acerca de Santa Iria, Braga, 1985
• Os Primeiros Documentos da Salzeda, Guimarães, 1985
• A Históeria de Lalim - Homenagem de Lalim ao Conde D. Pedro, Braga, 1990
• Tarouca na História de Portugal, I, Viseu, 1990
• Faria e Não Feira, 1127-1128, Barcelos, 1991
• Taraucae Monumenta Historica, I, "Livro das Doações de Tarouca". I/2, "Documenta", Braga, 1991
• Taraucae Monumenta Historica, I, "Livro das Doações de Tarouca, I/2, "Indices et Studia"
• (Anthroponymia), Braga, 1992
• Taraucae Monumenta Historica, I, "Livro das Doações de Tarouca, I/3, "Indices et Studia"
• (Toponymia, Institutiones, Comumnia Verba), Braga, 1993
• Intervenção de Lamego na Libertação Nacional (1126-1128), "Beira Alta" LI-1/2 (1992 e segs).
• Viseu, Agosto de 1109 - Nasce D. Afonso Henriques, Viseu, 1993
• Meadela Histórica, Viana do Castelo, 1994
• Tarouca na Histórica de Portugal II, Viseu, 1994
• A "Arquimanha" Feirense de José Mattoso & Cª Ildaª, Viseu, 1994
• Portugal, Primitivo Medievo - repositório de 4 volumes, editado em 2001